quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Hoje não Consegui Esconder-me de ti

Fotografia: Solange Mazzeto


Hoje não consegui tracejar as palavras,
que queria escrever para ti.
Somente frases ausentes,
apenas letras remotas,
linhas trocadas,
textos sem rumo,
cadernos distantes.

Hoje não consegui enviar-te as flores,
que desejo plantar nos teus vasos.
Só folhas ressequidas,
rosas desfolhadas,
raízes indecisas,
regadas com gotas
frias e salgadas.

Hoje não consegui escutar as canções,
que queria que tu ouvisses.
Apenas sons dispersos,
violão sem cordas,
piano sem claves,
cantores sem voz, 
letras sem versos.

Hoje não consegui sonhar-te.
Apenas insónia e sonos soltos.
Hoje não consegui,
esconder-me de ti.



Texto: Victor Gil

21 comentários:

Mª Angeles y Jose disse...

Cada dia me gusta mas como escribes!

Felicidades.

Besos

Paula Raposo disse...

Lindíssimo, Victor! É um prazer ler-te. Beijos.

Sonhadora disse...

Victor
Lindíssimo
muito belo o teu poema
Beijinhos
Sonhadora

Sonia Schmorantz disse...

Há dias assim, por mais que a gente queira, as idéias fogem, divagam, não tem foco...mas quando fogem em palavras e se tornam poesia, aí tudo muda! Se transformam em beleza!
Um abraço

Branca disse...

A impressão que dá é que foi um dia perdido, desfocado, cheio de reticências, e que, na realidade, é um alerta, de que precisamos rever alguns conceitos - olhar um pouco pra dentro de nós mesmos.


Beijinho pra vc Victor e um excelente dia!

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

É bom te encontrar lá no meu cantinho. Nem imaginas o quanto gosto de história, e saber o que soube, que na antiga Iugoslávia se está a esquecer episódios como os de srebrenica, me deixou realmente muito chocado. Se o passado não for lembrado, é mais fácil de ser repetido.

Tu és um cara muito inteligente. Teu poema é muito gostoso de ler, mesmo com esse fundo de melancolia, de pachorra (ou será desespero?). Adoro a dança de idéias (flores ressequidas que te dei, por não poder dar as outras...), as palavras com grafia diferente das daqui do Brasil ("insónia" no lugar de "insônia")... E a fotografia em preto e branco, ainda sem mostrar os olhos, denota ainda mais um estado de espírito sem muita alegria, uma poesia cinza, apesar do afã de vida nela contido.
Andei a dar uma olhada no teu espaço, nas fotos, nos textos. Adorei o azul ao fundo, minha cor favorita, a cor do mar, do céu, da paz.
Vou te seguir também. Agora que tenho planos de casar aí em Portugal, comecei a seguir todo blogue de lusitano que aparece no meu, porém o teu vale a pena pelo conteúdo. Meus parabéns!
Au revoir, mon ami.

Rafael Castellar das Neves disse...

Tão bom quanto ao outro blog seu...gostei de ideia de textos próprios sobre imagens de amigos: desafiante!

Neste texto, em particular, gostei da ideia de não poder esconder-se dela.. que vejo como ser si mesmo...

Abraço...

Rafael

Mai disse...

Belíssimo, as dores secretas dos desejos contidos.

Abraços.

José Carlos Brandão disse...

Olá, Victor Gil!
Então tens um outro blog?! E muito agradável. É sempre um prazer visitar-te. Mesmo quando estás como hoje, com a criação presa - na "insónia e sonos soltos". Mas isso porque o coração pulsa ansioso por um grande amor. O amor sempre é grandioso para o coração que é igualmente grande.

Um abraço amigo.

Dalinha Catunda disse...

Olá Gil,
Muitas vezes quando não sabemos o que dizer é que o coração fala mais alto.
Seu poema ficou lindo, gosto muito deste seu espaço.
Bjs,
Dalinha

Elaine Barnes disse...

Nossa, arrasou em amigo!Esse poema chega a tocar na tristeza como um ser. Eu hoje não consegui deixar de agradecer sua presença, mesmo atrasada! rs... É sempre bem vindo a qualquer hora, espero que tenha gostado de ver seu link na árvore bloguealógica. Obriadaaaaaaaaaa!!! bjão

Luis F disse...

Amigo

Mais um poema de grande nível e qualidade.

Gostei de o ler e sentir as tuas palavras.

Com amizade
Luis

Hellag disse...

há dias assim...mas o sentimento está lá!...a foto também é excelente

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Bom domingo, Gil!
Até.

Silvana Nunes .'. disse...

Salve!
Muito obrigada pela visita e por seu comentário. Hoje a conexão está dando uma colher de chá, , estou conseguindo abrir alguns blogs menos carregado e deixar o meu profundo agradecimento - é muito bom poder contar com você. Aos pouquinhos eu vou dando conta de tantos amigos, de tantos comentários e de tantas leituras interessantes que aparece. Divulgar esse imenso país com suas belezas naturais e multiplicidades culturais é a minha verdadeira intenção, afinal ninguém pode amar aquilo que não conhece, não é verdade ? Eu me apaixonei pelo Brasil aos 12 anos de idade quando li Ariano Suassuna em "O Auto da Compadecida" - Chicó foi o meu primeiro amor..Penso que falta ao povo brasileiro é esse sentimento de pertencimento, de vontade de preservar o seu espaço lutando por um mundo cada vez melhor. Vemos tantas coisas na TV, escandalos de dinheiro em cueca, em bolsas, em malas e até na meia. Se essa raça de políticos amassem o Brasil e seu povo, isso não aconteceria. Com certeza que não. Porque eles só estão pensando neles próprios, dane-se quem vem atrás : farinha pouca, meu pirão primeiro, é o pensamento de quem não tem esse sentimento de pertencimento por uma nação tão linda, tão especial. Sim, porque aqui ainda é o melhor lugar para se morar. Por isso faço questão de divulgar a nossa cultura, o nosso povo, quem sabe um dia a ficha cai...Pode até ser uma ideologia, mas acredito que o melhor caminho seja a educação, o conhecimento.
Só sei que a coisa me parece estar dando certo, porque até já andei conhecendo alguns blogs iguais aos meus, a cópia é tão grande que até o layout e o corpo de letras são iguais - assim ninguém merece...
Que a Paz e o Bem estejam sempre com você e mais uma vez muito obrigada pelo seu carinho para com o meu trabalho.
Um grande abraço,
Silvana Nunes.'.
Saudações Florestais !

Saramar disse...

Poeta, apesar de triste, o poema é delicado e fala do amor sozinho que, ainda assim, tenta o encontro.
É belíssimo!

beijos

Carmem disse...

Victor!...

Apesar de triste...é lindo também pela beleza do sentimento!...
Obrigada pela visita e pelo carinho!

Beijo e bom Natal pra ti...

maria disse...

Amigo cá estou eu outra vez, aproveito para dizer que está cada vez melhor a sua arte.
Um beijo "frio"com carinho.
Maria

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

O teu dia sem palavras sem flores canções ou sonhos se trasnformou em um lindíssimo poema.

Todos os objetos e sentimentos supostamente perdidos por ti apenas se traduziram em palavras que muito me agraciaram.

Beijo fraterno =)

RosanAzul disse...

...Somente hoje consegui soprar as nuvens e chegar aqui...
Um beijo para ti querido Gil!
Ro

BAR DO BARDO disse...

Epifania.