sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Cavalo de Papel

 


Imagem: Tela a Óleo de Lisa_B


Não sei se vou conseguir levantar-me
do chão para onde me atiraste.
Entre guerras de beijos,
de palavras e amores escondidos,
de manhãs inconstantes
e exércitos vencidos.

Como vou conseguir colocar
todas as minhas flores nos teus vasos,
suportar o silêncio dos teus caminhos,
abrir as tuas portas devastadas.
Entrar nas planícies da tua ternura,
ou nas árvores dispersas
das tuas florestas desfolhadas.

Já só me resta ousar quedar-me aqui,
tentando domar o tropel,
dos meus cavalos de papel.

Texto: Victor Gil

20 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Enterncedor. O mínimo que repousa ao descaso...

Sonhadora disse...

Meu amigo
passo para te deixar um beijinho e todo o carinho.

Sonhadora

Andradarte disse...

TELA LIDÍSSIMA....bem como o poema

Abraço

RosanAzul disse...

Querido Gil!

Linda a Tela que ilustra teu poema!
Já estive visitando o blog da Lisa e adoooorei!! Lindos os trabalhos dela, de muito bom gosto e talento!

Gil, o teu poema, lindos como sempre... Os teus poemas são

SONHOS NO PAPEL
RosanAzul

cavalgo teus sonhos
na sela da esperança
onde posso tocar o céu
com teu cavalinho de papel
e tal qual criança
que um dia fomos
brincamos de faz de conta
com o que o coração apronta.
Nas rédeas do destino
o amor como troféu...

Um Beijo Azul!
Ro

*Lisa_B* disse...

Querido amigo Gil,
que lindaaaa surpresa!!!
Como fica bem aqui o meu cavalo pintadinho a óleo por mão do meu coração cheio de amor.

Obrigada !!!

Lindo poema como todos os que aqui nos ofereces.

Fico sem palavras perante gestos de carinho como este.

Viste a foto do meu filhote lá no blog? Coloquei na lateral direita ele "deixou" :-)

Gostei muito também dos versos que escreveu aqui uma tua amiga comentadora...Ro.
Beijinho e obrigada pela visita, volte sempre Ro.

Lindo Gil...o temporal não me permite estar aqui muito tempo e a falta de bytes também não...

Bom fim-de-semana amigo do coração.

Lisa_B

Vieira Calado disse...

Tudo muito giro!

Um abraço e bom resto de Domingo.

Sonia Schmorantz disse...

Lindos cavalos de papel e imaginação!
abraço

Meg disse...

Os cavalos de papel, apesar de tudo, continuam a ser o nosso transporte para o mundo do sonho...a nossa libertação.Por isso, eu também sonho, nas recordações boas,aquelas que subsistem na mente, como é o caso da "nossa velha Coimbra" (lá no meu blogue)Beijinho amigo virtual
Meg

Rafael Castellar das Neves disse...

Bravo, Gil!! Muito bom...quanto sentimentos nessa bela descrição...

[]s

igor disse...

Adorei as imagens e o poema! Um abraço

igor disse...

Adorei as imagens e o poema! Um abraço

Pedra do Sertão disse...

Domar esse tropel não é tarefa tão fácil assim...belo poema! abraço

Regina Fernandes disse...

Amigo querido

Depois de ficar um bom tempo afastada por conta das férias de verão, volto ao teu espaço com saudades e encontro essa maravilha de poema. Um espetáculo!

Bj
Lindo dia

Hellag disse...

belo poema, como nos habitua mas realço a frase "guerra de beijos"!

Dalinha Catunda disse...

Oi Meu amigo,
Demorando ou não, você é sempre bem-vindo nos meus espaços.
Como sempre, você é extraordinário em seus poemas.
Carinhosamente,
Dalinha

Tatiana disse...

Estive aqui admirando a sua arte e apreciando as postagens!

Voltarei mais vezes!

Um abraço com o meu carinho

Nydia Bonetti disse...

Amei a imagem dos cavalos de papel, Victor. Imaginei o barulho dos cascos de tais cavalos, e eles soaram feito música. Abraço!

RosanAzul disse...

"Amar perdidamente pode ser a maior ventura
na aventura de nos sonhos acreditar
pode ser fissura, neurose, até loucura
a arte da imaginação e do sonhar"...

Beijos com carinho!
bom fim de semana!
Ro

Luis F disse...

Neste cavalo eu cavalguei em sonhos, descobrindo a beleza das tuas palavras.

Parabéns pelo poema, meu amigo

Um abraço
Luis

Elaine Barnes disse...

Tela linda! Tenho uma de cavalo que uma tia querida pintou pra mim. Adoro cavalos, são símbolos de força.Lindo poema assim com a tela. Adorei amigo. Voc~e é um grande poeta mesmo. Montão de bjs e abraços