domingo, 5 de dezembro de 2010

Devaneio de Outono


Fotografia: Pedro Sarmento
http://pintura.pedrosarmento.com/

Sobre a mesa indiferente do bar,
tento tracejar palavras de amor
em folhas de papel pautado.
Recortar ensaios de um canto,
nas linhas simples de um fado.

Entre rabiscos de tinta,
que não me deixam
escrever o enredo,
mutilo as folhas indecisas
e risco as glosas do segredo.

Através do vidro, vejo a rua passar,
as silhuetas que ameaçam chuva.
As nuvens desfraldam castelos à volta,
o vento vacila nos galhos das árvores,
as folhas disfarçam no vento a revolta.

Arrepia-me este frio,
que sinto passar
entre as ruas suspensas,
entre os ramos partidos
e o movimento das plantas.

Texto: Victor Gil

9 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido

Um poema lindo...melancólico, como as folhas que caeiem do nosso peito.

deixo um beijinho
Sonhadora

Elaine Barnes disse...

Olá amigo! Estou desfolhando rs... Me identifiquei com o poema, mas, para mim não existe céu mais lindo que o de outono não é? Montão de bjs e abraços agradecidos pelo carinho.

AFRICA EM POESIA disse...

VITOR
Eu queria ser capaz mas...
fico apenas com o...
eu queria.
Feliz Natal

Sonia Schmorantz disse...

Todos os dias deste ano,
Você esteve presente.
Fazendo-me sorrir, trazendo conforto e incentivando a continuar.
Todas suas palavras, seus comentários e presença foram muito importantes.
E é com todo carinho que desejo
Tudo de bom na sua vida,
Um Natal repleto de alegrias.
E que todos seus sonhos se tornem realidade neste
E em todos os Natais que ainda virão.
Um forte abraço.
Feliz Natal!

RosanAzul disse...

GIl, mais um lindo poema... ler e reler e sentir as tuas palavras entrando na alma...
Sabes que adoro os teus poemas não sabes!!
TE deixei um recadinho de ano novo no outro blog tá!
Meu carinho de sempre, beijo azul!
RO

Zélia Guardiano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zélia Guardiano disse...

Lindos versos, Vitor!
Gostei demais...
Abraço.

Gaspar de Jesus disse...

Caro VICTOR GIL
Gosei muito deste conjunto poético!
As suas palavras e a fotografia do Pedro Sarmento ligam muito bem.
Grande abraço
G.J.

jair machado rodrigues disse...

Caro Victor, estou a desvendar teu blog, e a cada poema que leio, mais me encanto com tuas palavras, tua maneira, só tua de sentir e colocar no papel, embora sofra às vezs, como dizes nestes versos, mas no fim, esta grandiosa inpiração aflora, e nos brinda com tão formosos versos. Parabéns, tu és bom mesmo, continuarei minha busca...